Archive

Posts com a Tag ‘rolha’

Screwcap e o Mercado

Lendo hoje o teaser “Screwcaps are best: Decanter verdict” para a matéria deste mês da revista inglesa – 50 Reasons to Love Screwcap – que conta como todos os editores, degustadores, faxineiros e estagiários da revista consideram screwcap a melhor forma de fechar vinhos, me intrigou um pouco a maneira um tanto… festiva, de publicarem a própria opinião.

Mesmo sabendo que esta é considerada a mais imparcial e independente revista do meio e mesmo sendo pessoalmente a favor de uma utilização bastante ampla de screwcap, fiquei me coçando com a… Leia mais...

TCA ou Tentativa de Conseguir vinho Adequado para beber

Como vimos anteriormente, uma grande dificuldade que os restaurantes (mas também as lojas de vinho) possuem é lidar com a famosa situação em que um cliente declara que o vinho não está bom. Mas há dois lados em toda moeda e, algumas vezes, há REALMENTE algum problema com o vinho.

Certa vez, visitando para jantar com algumas pessoas um reluzente restaurante, após duas ou três garrafas do mesmo rótulo, serviram-nos uma que, de fato, não ia bem. Avisei ao garçon que gostaríamos de uma nova garrafa e este prontificou-se a chamar o maître, em teoria o mais capacitado… Leia mais...

Vinho e Umidade

Leia a introdução deste artigo em “Matt Kramer e o Armazenamento de Vinhos

Normalmente se diz que uma adega adequada deve reter uma certa umidade (a quantidade varia, mas normalmente fala-se de cerca de 70%). A explicação habitual é que a umidade ajuda a rolha a conservar-se intumescida e a isolar o vinho.

Kramer ressalta que, em boa parte, o mito da umidade das adegas provém do estereótipo das tradicionais adegas européias (em especial inglesas e francesas) naturalmente muito úmidas e seguramente muito eficientes… Leia mais...

Sobre a Qualidade e o Preço – Continuação

Para ler a primeira parte deste artigo, clique aqui.
Vimos rapidamente alguns dos fatores que determinam os custos de produção do vinho, mas antes que o precioso líquido chegue às mãos dos consumidores, há ainda uma série de etapas a serem vencidas.
Antes de tudo, embalagem:

  • Beleza não põe mesa, mas as garrafas mais bonitas com rótulos charmosos e elegantes sem dúvida são convidativas e atraentes. Mas têm um custo.

Embora muitas pessoas digam não ligar para embalagem, há fatores objetivos relacionados à ela:

De Frescuribus non Proliferandus Est (ou Deveriabus Ser) II

Se você não leu a primeira parte, clique aqui.

Lição Três: Sobre como eu, que estou pagando e não gostei do vinho, mando devolver a garrafa, que está ruim.

Pois é, meus amigos. Eu gostaria de ter um “dinheiros” (D$, moeda corrente no mundo da imaginação dos clientes de restaurantes) para cada garrafa bouchonée que foi tomada como se fosse um Grand Cru Classé de alguns milhares de dólares, enquanto inúmeras garrafas de vinhos em excelente estado de conservação são devolvidas aos garçons por “certamente estarem avinagradas”.